A melhor tipografia é aquela que passa despercebida ao leitor, dando destaque à mensagem e não à fonte. Por vezes, a escolha da fonte tipográfica pode ser um dos maiores desafios num trabalho gráfico, pois a mesma serve não só para transmitir um texto ou uma mensagem, como também, um conceito ou uma ideia.

No design gráfico:

No design gráfico, é muito comum a criação de logótipos com uma única fonte, dispensando o uso de símbolos ou desenhos representativos, como é o caso por exemplo das marcas: Google, Dove, Ford ou Canon. Nos layouts de peças publicitárias, é fundamental adaptar o texto ao conceito empregado, e o uso de imagens, ilustrações, cores e fontes também devem “conversar” de forma equilibrada e harmoniosa.

Nos textos:

Na composição de textos, é importante considerar dois estilos de fontes distintos: as serifadas e as não-serifadas.
As fontes serifadas são essencialmente utilizadas em grandes blocos de texto, pois proporcionam ao leitor um maior conforto visual, pois criam uma linha e fazem o texto parecer contínuo aos olhos do leitor. Já as fontes não-serifadas são mais simples e retas, tendem a ser usadas em textos curtos, títulos ou legendas, valorizando as palavras individualmente.
Seja qual for o tipo de fonte, escolher a opção mais adequada permite que os leitores tenham uma boa experiência de leitura, adaptando também a fonte ao género literário que está a ser abordado no livro. Atualmente, entre as fontes mais recomendadas para textos longos impressos, podemos citar: Times New Roman, Book Antiqua, Georgia, Adobe Garamond Pro, Goudy Old Style, entre outras.

Na web:

Na web, o conforto visual é uma vez mais uma prioridade, embora as fontes sem serifa, funcionem melhor para a experiência do usuário, que têm de se adaptar a telas pequenas como as dos smartphones ou dos tablets. As fontes mais comuns são Arial, Lato e Helvetica, fontes mais limpas, fluidas, e que permitem uma leitura leve, sem incómodos visuais para leitura em ambiente digital.

Regra geral, para um texto extenso num suporte impresso a fonte serifada é a melhor aposta. Já em ambiente digital o mesmo não acontece devido à sua resolução mais baixa, uma fonte não serifada, permite uma boa leitura. Quando a fonte é utilizada com um propósito mais gráfico, a decisão irá variar consoante a ideia que se pretende transmitir. Atualmente, as possibilidades de uso criativo são infinitas, assim como são vastas as regras e padrões que devem ser seguidos. A Fidelizarte, está a par das tendências e de tudo o que é necessário para que qualquer peça gráfica, como o caso de logótipos, funcionem somente à base de tipografia. Fale connosco!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *